FED

Relatório Macro – Terceiro Trimestre

Relatório Macro – Terceiro Trimestre

No relatório macro, o núcleo de macro e renda fixa aborda os principais acontecimentos do terceiro trimestre do ano de 2022, analisando os cenários econômicos nacional e internacionais.

Neste trimestre, no cenário nacional, ganham destaque as leituras positivas para inflação, atividade econômica e cenário fiscal, enquanto o resultado das eleições aumenta ainda mais as incertezas em um contexto global conturbado.

Já no cenário internacional, ganham destaque o rápido governo de Liz Truss no Reino Unido, o aperto da política monetária pelo Fed e pelo BCE, e leituras de inflação nestas economias.


Brasil – Inflação e atividade econômica surpreendem positivamente, enquanto que cenário político continua incerto pós-eleição.

Os últimos três meses mostraram um arrefecimento da pressão inflacionária, tendo consecutivamente mostrado leituras mensais de inflação negativa, sendo estas quedas, de 0,68%, 0,36% e 0,29% para os meses de julho, agosto e setembro, respectivamente.

Os níveis de preço foram altamente afetados em decorrência da redução de impostos federais sobre combustíveis, aliado à redução do ICMS sobre energia, telecomunicação e combustíveis.

Fonte: Refinitiv. Elaboração Própria

A perspectiva para a inflação continua positiva, ao passo em que a economia global sofre de uma desaceleração conforme a política monetária mundial entra em ritmo de aperto, afetando diretamente na redução pelo lado da demanda, concomitante ao fato de que os incentivos de corte de impostos federais devem ser prolongados até 2023, construindo um cenário favorável à inflação brasileira.

Por outro lado, este cenário também se torna dependente de questões como o cenário fiscal e as decisões na política monetária. O Brasil apresentou um ótimo ano fiscal em 2022, com um superávit primário do setor público esperado em 1,3% do PIB e uma dívida bruta por volta de 76% do PIB, levemente dos 74% observados em 2019, porém, com um novo governo eleito e políticas adotadas pelo atual governo – como o adiamento de precatórios e políticas fiscais expansionistas que ultrapassam o teto de gastos, como o aumento do Auxílio Brasil -, a perspectiva do cenário fiscal é de deterioração nos próximos anos.

Quanto à política monetária, a última reunião do COPOM definiu que a manutenção da Selic em 13,75% a.a. Conforme a ata desta, há a indicação que os juros permanecerão elevados por um período longo, caso não ocorra nenhuma mudança significativa no cenário nacional e internacional. O Banco Central entende que as suas futuras decisões demandam cautela, pois ainda prestam atenção a como as variáveis macroeconômicas responderam à mudança brusca nos juros, que estavam no patamar de 2% somente dois anos atrás. Ademais, uma redução na taxa de juros em 2023 está precificada, com a curva apresentando uma inversão a patamares de 11,5%, como mostra o gráfico abaixo.


Fonte: Anbima. Elaboração própria


Mercado de trabalho segue aquecido enquanto atividade econômica continua a crescer

O mercado de trabalho brasileiro se demonstra fortemente aquecido, com a taxa de desemprego para o trimestre entre julho a setembro de 8,7%, o menor nível desde 2015. O número reflete os recentes resultados inflacionários, além de uma melhora no emprego do setor público, o qual teve recorde de crescimento na série histórica. O momento, no entanto, é de cautela, ao passo em que se observa indícios de retração na atividade econômica, tanto brasileira quanto mundial, e isso pode afetar fortemente o mercado de trabalho nacional.

Após ter demonstrado uma queda superior a 1% em agosto, o índice Ibc-br, considerado uma prévia do PIB, voltou a indicar crescimento para setembro, de apenas 0,05% – abaixo da expectativa do mercado de 0,2%. Apesar disso, a alta de 0,69%, registrada no segundo trimestre, passou a 1,36% no terceiro, indicando uma atividade forte, ao contrário do observado no cenário internacional.

No entanto, como mencionado anteriormente, ao passo em que as políticas monetárias globais começam a ter efeito, as previsões para 2023 voltam a ter uma incerteza maior, ditadas por uma futura demanda enfraquecida.


Lula é eleito pela sua terceira vez presidente do Brasil, porém oposição aumenta o seu número de cadeiras no congresso

As eleições nacionais de 2022 demonstraram uma grande divisão no cenário político. Por um lado, Bolsonaro perde as eleições presidenciais por uma margem muito pequena, com Lula, após 12 anos, voltando ao poder, e, ao mesmo tempo, o bolsonarismo terá a maior bancada no Senado e na Câmara em 2023, com o bloco político da “direita” e do “centrão” correspondendo a 74% da Câmara e 83% do Senado.

Portanto, o governo Lula deverá utilizar de muito diálogo para a aprovação de pautas, visto a forte oposição dentro – e fora – do planalto. Questões, como a decisão de ministros – muito criticada durante o período de eleição -, também devem refletir a divisão política, com a preferência por nomes imparciais do que aos preferidos pelo PT.


EUA – Mercado de trabalho se mostra aquecido, com dados recentes do payroll acima das expectativas enquanto a pressão inflacionária se mostra persistente

O mercado de trabalho americano se mostra bem aquecido nos últimos três meses, com a última leitura do non-farm payrolls surpreendendo os mercados, vindo acima das expectativas e abrindo precedente para um aperto monetário maior pelo lado do Federal Reserve.

E economia dos EUA viu um resultado da criação de 263 mil trabalhos para o mês de setembro de 2022, número que apresenta uma queda comparada aos resultados obtidos nos últimos 3 meses (537 mil em julho e 315 mil em agosto) e a menor criação desde abril de 2021, mas ainda assim, o indicador foi superior ao número esperado de 250 mil empregos.

Apesar da redução da demanda doméstica americana, a criação de postos de trabalho se demonstra apertada, com o desemprego americano estabelecido em 3,7% e contando com diversas vagas não preenchidas.

O resultado é uma forte pressão sobre os salários, resultando em um alto ritmo de reajuste destes, implicando em uma forte pressão inflacionária – combatida por medidas mais pesadas com relação à política monetária do Fed, que presta grande atenção no mercado de trabalho para embasar as suas decisões com relação a taxa de juros no país.


Fonte: Atlanta Federal Reserve. Elaboração própria

A pressão inflacionária nos Estados Unidos continua persistente e mostra-se bastante disseminada através das categorias que compõem o índice. Apesar do CPI (Consumers Price Index) ter dado uma arrefecida, quando comparado ao resultado para o mês de junho, onde o índice registrou uma alta anualizada de 9,1%, e em sua última leitura, em setembro, registrados 8,2% – o menor número nos últimos 7 meses -, este ainda foi maior que as expectativas do mercado (8,1%).

A continuidade do aumento de preços de commodities, principalmente as energéticas, continuam a pressionar o índice, ao passo em que os preços de gás natural e eletricidade aceleraram 2,9% e 0,4% no mês de setembro, respectivamente. Apesar disso, o custo com gasolina apresentou uma queda de 4,9% no mês, reduzindo levemente a pressão sobre o índice.


Fonte: Refinitiv. Elaboração própria

O núcleo do índice continua a apresentar problemas para o Fed, com ambos os resultados de setembro e agosto apresentando alta de 0,6% e acima das expectativas do mercado. A preocupação maior é com relação aos itens relacionados a aluguel e serviços, que não apresentam sinal de queda tão cedo. Por outro lado, a inflação relacionada a bens deve sofrer uma desaceleração nos próximos meses, devido a um dólar valorizado e uma demanda enfraquecida – apesar desses resultados não terem apresentado queda nas últimas leituras do índice.

Visto uma pressão inflacionária persistente, e um mercado de trabalho com resultados melhores que o antecipado, é esperado que o FOMC continue a responder de forma mais hawkish, com possivelmente uma alta de magnitude de 75 bps, como feito na última reunião.

O Fed deixou de ver a inflação como algo transitório a muito tempo, e agora está disposto a continuar em uma instância mais restritiva, buscando obter um nível de emprego ótimo e a estabilização de preços, segundo a minuta da reunião do comitê em setembro. Além disso, o comitê entrou em um consenso de que, aumentar as taxas mais rapidamente agora irá “prevenir uma futura dor econômica”, associada com o alto nível de preços, incluindo uma política monetária ainda mais apertada e mais restritiva na atividade econômica do que seria necessária para trazer a estabilidade de preços.


EUA – Mercado imobiliário demonstra sinais de retração, com taxas hipotecárias dobrando perante 2020

O mercado imobiliário americano começa a mostrar sinais de retração, ao passo em que o número de compradores reduziu fortemente devido a taxas hipotecárias dobrando em 2022, forçando os vendedores a baixarem o preço de seus ativos em compensação.

Entender a situação atual no mercado americano é muito importante, com os indicadores imobiliários ganhando grande destaque pós-crise de 2008. O cenário pandêmico, de baixas taxas e de alta liquidez, resultou em preços de moradias inflados em todo o país. Porém, no momento atual, com as incertezas pairando sobre a economia global, e uma atuação hawkish do Federal Reserve, o preço de casas no país começa a declinar fortemente.


Fonte: Refinitiv. Elaboração própria

O momento, no entanto, é diferente do observado no período de 2006 a 2012, e, de certa forma, se mostra mais positivo. A expectativa é que o preço de moradias continue a declinar, mas não a níveis observados na crise anterior, pois nela se observava uma pressão maior do lado vendedor, motivado por vendas a descoberto e encerramentos hipotecários. Além disso, o inventário de residências em 2008 era 4 vezes superior ao observado hoje, que continua ainda inferior a níveis pré-pandêmicos, atuando na manutenção do preço de moradias.


Zona do Euro – Continuação da guerra na Ucrânia e inflação persistente continuam a reduzir expectativas no velho continente.

O continente Europeu continua a sofrer com choques adversos em preços de commodities, principalmente energéticas, amplificados pelo confronto no Leste Europeu – o qual não mostra sinais de se encerrar, visto a chamada de reservistas pela parte Russa, e a falta de consenso entre as duas partes em um acordo para o encerramento da guerra.

O cenário inflacionário na União Europeia se mostra persistente, com a última leitura atingindo 10,7% nos últimos 12 meses, sendo a leitura anterior, de setembro, 9,9% anuais, e, aliada com as recentes leituras abaixo de 50 do PMI na Zona do Euro (demonstrando uma desaceleração na atividade econômica), indicam uma possível estagflação para o ano de 2023 no bloco, com um cenário já em 2022 de altos custos de produção e consequente limitação da produção, exercendo uma ainda maior pressão sobre o índice de preços.


Fonte: Refinitiv. Elaboração própria

No outro lado, o Banco Central Europeu, que começou o seu ciclo da alta de juros em julho deste ano, deve continuar a adotar uma postura hawkish nas suas decisões de política monetária, buscando trazer a inflação de volta à meta adotada de 2%.

Com a recente alta de 75 bps para a reunião de outubro, é esperado que a autoridade monetária continue o ciclo com uma próxima alta de 75 bps na reunião de dezembro, encerrando 2022 com uma taxa básica em torno de 2,75%.

Também é importante ressaltar que o desemprego no bloco chegou a uma mínima histórica de 6,6%, podendo fornecer espaço para aumentos mais robustos nos juros, como visto no caso americano.

Por fim, o governo Alemão ampliou recentemente seu plano fiscal que busca combater o choque energético, com um pacote de € 200 bi – adicional aos € 95 bi já gastos -, introduzindo “freios” no preço de eletricidade para residências e empresas, no preço do gás de forma temporária e também adota a taxa de solidariedade, além de reduzir impostos sobre gás e aquecimento urbano.


Reino Unido – Situação política fragilizada e medidas econômicas derrubam o governo de Liz Truss e depreciam ativos britânicos

O cenário econômico e político no Reino Unido passou por grande turbulência, após a renúncia de Boris Johnson como primeiro-ministro britânico. Liz Truss, candidata dentro do partido conservador para o lugar de premiê, assumiu o cargo no início de setembro e anunciou um pacote fiscal, que dentre os principais pontos, incluía uma quantia para compensar o alto preço da energia e um plano de crescimento baseado no corte de impostos.

O plano teve uma má recepção pelo mercado, causando uma alta desvalorização em ativos britânicos e deixando a libra em situação frágil, com paridade quase que de 1 para 1 com o dólar americano. O prêmio de títulos do governo subiu de 3,8% a 5%, desvalorizando-os e o mercado já precificava um aumento do ritmo de aperto monetário por parte do BoE.

O resultado, após um imbróglio no parlamento inglês, foi a saída de Liz Truss do cargo de primeira-ministra britânica, após ficar somente 50 dias no cargo, e o apontamento de Rishi Sunak como novo ministro, que deve levar a economia em uma direção de mais responsabilidade fiscal em um momento de alta inflação e indícios de recessão à vista no horizonte próximo.


China – Atividade econômica apresenta recuperação, mas crescimento para 2023 deve ser abaixo dos 5% desejados pelo governo chinês

A atividade econômica chinês vem demonstrando sinais de recuperação, principalmente na produção industrial, a qual sofreu de interrupções devido a política de covid zero implementada pelo governo chinês.

A evolução pode ser observada tanto pelo indicador da produção industrial, que até agosto registrava um crescimento de 3,8% em 12 meses, e, para setembro uma expansão de 4,2%, quanto pelo PMI industrial chinês, que registrou uma leitura de 50,1 após um grande período de retração no índice.

No entanto, observa-se uma forte retração em outros setores da economia, principalmente no setor imobiliário, onde o investimento imobiliário apresenta uma queda de 13,2% quando comparado ao mesmo período no ano anterior, com a redução na venda de residências e uma queda pela metade no total de novas obras também contribuindo negativamente para o cenário.

Por fim, pode observar-se que as medidas de controle ao coronavírus continuam afetando negativamente o setor de serviços, o que deve afetar profundamente o desempenho da economia no próximo ano.


Fonte: Refinitiv. Elaboração própria


Câmbio – Dólar se fortalece em um mercado repleto de incertezas e políticas frágeis

No Brasil, o câmbio continua apresentando alta volatilidade devido às incertezas nacionais e internacionais. No mês de julho a cotação do real chegou ao patamar de R$/US$5,50, mas voltando a negociar perto de R$/US$5,2 em outubro. As últimas falas de Powell, chairman do Fed, reforçam o comprometimento com estabelecer o nível de preços, sugerindo que os próximos meses devem ser de incertezas para o Real, visto que o país passa por um momento de transição política.

O Euro segue em constante decadência no segundo semestre de 2022, chegando a atingir uma mínima de 0,95 EUR/USD em setembro. Incertezas sobre a guerra entre Rússia e Ucrânia e o atraso na elevação dos juros por parte do BCE resultaram em uma preferência dos agentes pelo dólar.

Por fim, a Libra Esterlina apresentou alta volatilidade, dado às políticas adotadas por Liz Truss e o novo ministro das finanças, que anunciaram uma medida de corte de impostos para a elite britânica, assim como planos para seguir com cortes em outros setores durante o mandato. A ação de Truss foi recebida com surpresa pelos mercados, o que causou no dia 23 de setembro uma forte queda na Libra, além de uma pressão de venda dos títulos públicos do país, apresentando uma volatilidade em ativos considerados extremamente seguros.


Commodities – Volatilidade no mercado continua alta com confronto no leste europeu e paralisações na China

As cotações do petróleo no último trimestre vêm sofrendo alta volatilidade. Os dados de alta inflação no mundo, apertos monetários e a guerra entre Rússia e Ucrânia estão entre os grandes responsáveis pela volatilidade no preço do barril de Petróleo.

Após seguir uma tendência de queda entre julho e setembro, o Petróleo apresentou uma alta de 11,3% no mês de outubro, sendo negociado a U$94,83 no final do mês – um reflexo das decisões da OPEP+, que visa reduzir a oferta energética, e também das melhores expectativas a respeito da guerra.

Já o minério de ferro apresentou uma constante queda no último trimestre, dado as condições dos lockdown chineses, causando uma baixa produtividade do aço local. O panorama negativo do mercado imobiliário chinês é também motivo de incerteza no mercado de commodities, contribuindo para a tendência negativa que vem sendo apresentada desde o início do ano.

O Ferro estava sendo negociado a U$107,22 ao final de julho, fechando o mês de outubro no patamar de U$92,43, apresentando uma queda de 13,8% no trimestre.


Fonte: Refinitiv. Elaboração própria

Em suma, os próximos meses devem apresentar uma desaceleração na economia global, ao passo em que, com os aumentos prévios nos juros e com uma perspectiva da continuação do ciclo a patamares superiores aos previamente previstos, a demanda global começa a sofrer o impacto causado pela política monetária contracionista global.

No cenário nacional, as leituras de atividade, fiscal e de inflação se mostraram positivas, apesar de que o cenário político atual, pós eleição e em fase de transição, com posições e escolhas de ministros abertas, traz incertezas, sobretudo sobre o âmbito fiscal.


Autores: Luís Guilherme Uliana, Pedro Veiga, Wiliam Midon Pedroso

Posted by Luís Guilherme Uliana in Conjuntura Macro / Renda Fixa, 0 comments
Carta de Conjuntura Macro – Junho

Carta de Conjuntura Macro – Junho

O avanço da atividade econômica, a decisão de aumento de juros pelo Copom e a desaceleração da inflação ganham destaque no cenário nacional durante o mês de junho, enquanto o cenário fiscal apresenta grande incerteza com aprovação da PEC dos auxílios.

No âmbito internacional, a pressão inflacionária e os temores sobre uma possível recessão ganham destaque, ao passo em que a continuidade do conflito na Ucrânia e a política de covid zero chinesa impactam negativamente o balanço de riscos global.


Atividade Econômica – Cenário se mostra positivo no curto prazo, apesar de incertezas.

Após avanço de 1,0% no primeiro trimestre de 2022, indicadores de alta frequência reiteram um cenário prospectivo positivo para a atividade econômica durante o primeiro semestre de 2022, sugerindo expansão do PIB para o segundo trimestre acima do esperado anteriormente pelo mercado. Os setores da Indústria vêm demonstrando sinais de melhora, à medida que o comércio permanece em expansão, reforçando os bons resultados obtidos para este setor no primeiro trimestre.

Apesar da elevada incerteza para o atual cenário prospectivo, a atividade econômica vem obtendo resultados positivos e gerando revisões altistas para as expectativas de crescimento para 2022 e 2023, fator impulsionado por alguns fatores, como a expansão do mercado de trabalho, o aumento dos estímulos fiscais e o crescimento do setor de serviços, fortemente impactado pela retomada das atividades pós-pandemia.

De forma adicional, os dados do CAGED reiteram para um mercado de trabalho ainda aquecido, com novas leituras reforçando o cenário de recuperação apresentado pela PNAD no começo de junho. Para o mês de maio foram registrados 277.018 empregos formais, descontados os efeitos sazonais, com destaque para o setor de serviços (+120.294), comércio (+47.557) e indústria (+46.975), no acumulado do ano, já há um saldo positivo de 1.051.503 novos empregos. Adicionalmente, a taxa de desemprego está no patamar de 9,8%, a menor taxa desde maio de 2015 (8,3%), de acordo com os dados do IBGE. Estas novas leituras vêm acima das expectativas de mercado, cujo qual esperava uma taxa de desemprego próxima de 10,2%.

Para o cenário à frente, alguns fatores devem exercer importante impacto sobre os resultados econômicos, como a entrada de recursos provenientes do INSS e FGTS impactando de forma positiva e reforçando o atual cenário prospectivo, que já é de crescimento para o segundo trimestre. Em contrapartida, é esperado que os efeitos defasados da política monetária contracionista comecem a surtir maiores impactos sobre a atividade a partir do segundo semestre de 2022, visando desacelerar o atual cenário de escalada dos preços.

As expectativas trazidas pelo Boletim Focus, para 2023, apontam um crescimento modesto da atividade econômica, próximo de 0,5%, em decorrência, sobretudo, da absorção dos impactos da política monetária sobre as decisões de consumo e investimento dos agentes, retraindo a demanda agregada da economia, e do cenário de desaceleração mundial esperado.


Política Monetária e Inflação – Copom adia fim do ciclo de aperto monetário e resultados para a inflação vêm abaixo do esperado.

Em junho, a leitura do IPCA registrou um aumento de 0,67%, levemente abaixo das expectativas de 0,7%. No acumulado do ano, a alta registrada é de 5,49%, e de 11,89% nos últimos 12 meses. As últimas duas leituras do IPCA trouxeram significativa retração dos níveis de preços quando comparado aos primeiros meses do ano, no entanto, parte desta forte queda segue sendo puxada por segmentos voláteis ou administrados.

O cenário prospectivo ainda permanece desafiador e com elevado grau de incerteza, com novas leituras ainda indicando para pressões inflacionárias disseminadas e uma composição ainda desfavorável para o IPCA. A média dos núcleos permanece elevada, chegando em 10,5% no mês de junho. Como contraponto, o índice de difusão, que mede a proporção de bens e serviços que obtiveram aumento de preços no período em relação ao total de itens pesquisados pelo IBGE, desacelerou de 72,4% para 66,6% no mês de junho, entretanto, o valor ainda permanece em patamar elevado.

O cenário inflacionário é de forte incerteza, com fatores implicando em riscos altistas para o cenário à frente, como o atual cenário inflacionário desfavorável, os bons resultados para a atividade econômica e a possibilidade de novas medidas de auxílio fiscal, e, de outra forma, fatores que impactam as projeções de forma baixista, como a forte correção dos preços de commodities internacionais e o impacto das medidas fiscais aprovadas pelo governo, com redução de impostos sobre combustíveis, energia elétrica e serviços de comunicação, resultando em uma forte desaceleração da inflação para o curto prazo.

Apesar das sucessivas altas, o mercado espera uma deflação no mês de julho, por conta da PLP18/2022, que reduziu o ICMS em: combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte público. Além disso, o preço das commodities começou a ceder por causa do temor de uma recessão mundial, o que pode contribuir ainda mais para uma desaceleração da inflação nos próximos meses.

Na reunião de junho/2022, o Copom elevou a Selic em 50 bps para 13,25% a.a., e sinalizou mais um aumento de igual ou menor magnitude para a próxima reunião de agosto. Apesar do elevado grau de incerteza acerca do atual processo inflacionário, o comunicado trouxe uma abordagem mais dovish pelo comitê, tendo em vista as dificuldades de convergir a inflação à meta e o fato de os impactos contracionista ainda não terem surtido efeito sobre os níveis de preços. Com a piora do cenário conjuntural, o destaque do novo comunicado foi a mudança de tom na condução da política monetária adotada pelo comitê, que agora visa trazer a inflação para um valor ao redor da meta, reiterando para uma proximidade do fim do ciclo de aperto monetário. No entanto, com a expansão dos estímulos fiscais e novos fatores advindos pelo lado da demanda devem exercer maior impacto sobre os níveis de preços nos próximos períodos, criando um cenário mais dificultoso para o Banco Central, com expectativa de mais um aumento de 50 bps em agosto, e possibilidade de um novo aumento para setembro.

O dólar comercial encerrou o mês de junho no valor de R$ 5,24, um aumento de 10% em relação ao mês de maio. Os principais motivos por trás dessa alta estão relacionados ao aperto monetário realizado em grandes economias (como nos EUA), ao aumento da percepção de risco quanto às decisões tomadas na parte fiscal do Brasil e a possibilidade de recessão global.

O cenário atual permanece com uma alta aversão a risco, com fortes incertezas e elevada volatilidade para o cenário prospectivo. Destaca-se ainda que o momento atual requer cautela e o BC enfatiza que a política monetária pode ser ajustada para assegurar a convergência da inflação para suas metas de 2023-24, a depender da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação.


Política Fiscal – Apesar da forte arrecadação de tributos, a aprovação da PEC dos auxílios eleva o risco fiscal.

No cenário político nacional, foi aprovada a chamada “PEC dos Auxílios” ou “PEC Kamikaze”. Estima-se que o impacto nos cofres públicos será de R$ 41,25 bilhões, que serão contabilizados fora da regra do teto de gastos. Entre as medidas aprovadas, destacam-se:

  • Aumento do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600.
  • Auxílio-caminhoneiro de R$ 1.000.
  • Auxílio-gás de R$ 120.
  • Auxílio para taxistas e motoristas de aplicativos.
  • Transporte público gratuito para idosos.
  • Repasse de R$ 500 milhões para o programa “Alimenta Brasil”.

Além dessa medida, a redução do IPI para 35% acarretará em uma perda de arrecadação no valor de R$ 7,6 bilhões em 2022 e R$ 10,2 bilhões em 2023. E, ainda com a preocupação do Poder Legislativo e Executivo em reduzir o preço dos combustíveis na bomba para os consumidores, a Lei Complementar n° 134 zerou as alíquotas de PIS/Cofins e Cide incidentes sobre gasolina e etanol até 31 de dezembro de 2022, o que gerará uma perda de R$ 15,4 bilhões. Todas essas medidas causam um cenário de dúvida e de incerteza quanto à condução da política fiscal no Brasil, com um aumento da percepção de que o país pode ter um descontrole nas despesas primárias nos próximos anos, impactando severamente a sustentabilidade da dívida pública no longo prazo.

De acordo com os dados divulgados pela Receita Federal, a arrecadação federal com impostos chegou a R$ 165 bilhões somente em maio, uma alta de 4% em relação a maio de 2021. No acumulado, o valor arrecadado no ano de 2022 é de R$ 908 bilhões. A Receita informou que houve recolhimentos atípicos no montante de R$ 20 bilhões, ligados a empresas de commodities. Vale destacar ainda que esse desempenho é explicado pelos aumentos de 83,2% na arrecadação relativa à declaração de ajuste do IRPJ e da CSLL e ao acréscimo de 14,4 % na arrecadação da estimativa mensal. Trazendo a visão macroeconômica, percebe-se que todos esses valores recordes estão sendo impulsionados pela inflação, que apenas no ano de 2022 acumula alta de 5,49%.

Segundo os dados divulgados pelo Instituto Fiscal Independente, o resultado primário do governo central acumula superávit de R$ 39,2 bilhões no ano. Vale destacar que este valor é resultado de um forte aumento da arrecadação de tributos e de um controle da despesa primária. Todavia, os dados mais recentes sobre o mês de maio apontam um déficit primário do governo central de R$ 39,4 bilhões, R$ 18,4 bilhões maior que o déficit apurado no mesmo mês do ano passado.


Setor Externo – Atividade econômica fraca e pressão inflacionária elevam risco de recessão global.

O setor externo no último mês ficou marcado pela escalada no conflito no leste europeu, com commodities seguindo alta volatilidade e levando a conversações entre as partes sobre as exportações de cereais. Além disso, a continuidade da política de covid zero chinesa e o cenário inflacionário global também ganham destaque.

A persistência da guerra na Ucrânia levou a representantes dos países envolvidos no conflito a discutirem sobre as cargas de cereais paradas nos portos ucranianos, em busca de arrefecer as pressões sentidas sobre o preço de commodities. O conflito, no entanto, parece estar longe de ser solucionado, com intensificação dos ataques russos em cidades como Kiev sendo reportadas, além da ofensiva no leste do país.

A produção manufatureira na Zona do Euro continua a sofrer contra a escassez na cadeia de suprimentos, pressão inflacionária elevada e fraca demanda ao passo em que as incertezas só aumentam sobre o cenário econômico. O reflexo disso é visto no índice PMI da região, que registrou, para a manufatura, 52,1 pontos, levemente acima das expectativas (52). O índice composto registrou 52 pontos (51,9), à medida que o resultado do PMI voltado a serviços, de 53 (52,8), influenciou positivamente o resultado, apesar do setor ter performado o pior número desde janeiro, devido à fraca recuperação pós-restrições.

Em direção positiva, o desemprego para o mês de maio no bloco caiu a 6,6%, número superior às expectativas (6,8%) e comparado ao mês anterior (6,7%). O desemprego continua a decrescer, desde o início de 2021, seguindo as condições favoráveis com a diminuição de restrições. No entanto, na contravia, a pressão inflacionária continua a surpreender negativamente, atingindo um número recorde de 8,6% ao ano para o mês de junho – de acordo com as expectativas -, comparado a 8,1% em maio e 1,9% no mesmo período do ano interior. A continuidade da pressão exercida pelos itens de energia e comida, álcool e tabaco são os principais responsáveis pelo resultado, sendo o primeiro 41,9% maior comparado ao mesmo período do ano interior.

O sentimento negativo é refletido sobre o índice de sentimento econômico ZEW, o qual teve a leitura de -53,8 pontos para julho de 2022, inferior aos -28 relatados em junho, e registrando o pior número desde dezembro de 2011, ao passo em que o panorama econômico é esperado a piorar, com preocupações latentes sobre a crise energética europeia, um possível movimento hawkish do Banco Central Europeu – o qual começará seu ciclo de aumento de juros ainda em julho -, e novas restrições chinesas.


Fonte: Refinitiv. Elaboração Própria


Já nos Estados Unidos, o PMI composto foi revisado a 52,3 para junho, de um dado preliminar de 51,2, ainda sendo uma queda quando comparado a maio (53,6). A desaceleração no crescimento teve comportamento generalizado, com ambos serviços e manufatura vendo incrementos menores no final do segundo semestre.

O non-farm payroll, indicador que demonstra o aumento na força de trabalho contratada excluindo trabalhos agrícolas, demonstrou um crescimento de 372 mil empregos para o mês de junho, número muito melhor que o antecipado pelo mercado (268 mil), e levemente abaixo do resultado revisado para maio (384 mil). Os números vieram em linha com a média mensal de 383 mil nos últimos 3 meses, apontando ainda para um mercado de trabalho “apertado”.

Indo na contramão da positividade no mercado de trabalho, a inflação anual americana acelerou a 9,1% em junho de 2022 – a maior taxa desde novembro de 1981 -, acima das expectativas (8,8%) e ante maio (8,6%). O aumento de 1,3% mensal, o maior desde setembro de 2005, foi motivado principalmente pelo aumento na gasolina (11,2%), abrigo (0,6%) e alimentos (1%), sendo estes os maiores contribuidores. A piora no cenário inflacionário é uma das principais causas para a piora das expectativas do consumidor, medido pela Universidade de Michigan. O índice registrou leitura de 47,3 pontos, que, apesar de ser superior às expectativas preliminares de 47 pontos, é a menor leitura desde maio de 1980.

Simultaneamente, o PIB americano apresentou um decrescimento de 1,6% para o primeiro trimestre de 2022, ante expectativas de queda de 1,5% e crescimento de 6,9% no último trimestre de 2021. A continuidade da pressão inflacionária e piora no cenário econômico, com crescentes expectativas de recessão em um futuro próximo, pressionam ainda mais o Fed e suas decisões de política monetária. A reunião que está por vir tem como previsão uma alta de mesma magnitude anterior, de 75 bps, mas alguns agentes do mercado já precificam uma alta de 100 bps, ao passo em que esperam uma atitude mais hawkish da autoridade monetária americana.


Fonte: Refinitiv. Elaboração própria


Como reação, os títulos americanos com maturidade em 10 anos vêm sofrendo volatilidade em momentos próximos a leitura de resultados importantes. A recente queda, quando comparado ao início do mês de junho, demonstra a preocupação dos agentes de mercado com a possibilidade de recessão na economia americana.

Contribuindo para a piora das expectativas, a economia chinesa afundou 2,6% no segundo trimestre do ano, comparado às estimativas de queda de 1,5% e crescimento revisado de 1,4% no trimestre anterior. A contração é a primeira desde o primeiro trimestre de 2020, quando os casos de covid em Wuhan foram classificados como uma epidemia. O resultado vem de acordo com a política de lockdowns impostas pelo governo chinês, prejudicando a cadeia produtiva em escala global.

Em suma, o cenário macroeconômico global continua a se mostrar desafiador, com temores de recessão à medida em que a guerra no Leste Europeu continua a pressionar o preço de commodities e as paralisações e restrições chinesas impactam negativamente a cadeia produtiva global.

Como resultado, os principais bancos centrais mundiais são pressionados a tomar atitudes hawkish, aumentando a magnitude dos incrementos nos juros, ao passo em que tentam combater a pressão inflacionária persistente.

No âmbito nacional, a atividade econômica continua a apresentar crescimento, apesar dos problemas de sentidos pela indústria, relacionados aos obstáculos sentidos na cadeia de produção e de insumos. Já o cenário fiscal apresenta deterioração e aumento de incertezas, devido a aprovação da PEC dos auxílios, apesar da forte arrecadação de tributos, deteriorando a perspectiva fiscal de curto e médio prazo.



Autores: Luís Guilherme Uliana, Mateus Melo Galdino e William Pedroso.

Posted by Luís Guilherme Uliana in Conjuntura Macro / Renda Fixa, 0 comments
Carta de Conjuntura Macro – Abril

Carta de Conjuntura Macro – Abril

A melhora nos resultados domésticos relativos à atividade econômica, a persistência inflacionária e o aumento das incertezas globais, com a continuidade da guerra na Ucrânia, foram os principais destaques para o mês de abril.

A manutenção do conflito no leste europeu tem aumentado as incertezas quanto aos impactos sobre a atividade no continente europeu. Em paralelo, o cenário de inflação na Europa, mais brando que nos Estados Unidos, sugere um aumento de juros mais gradual pelo Banco Central Europeu (BCE) do que pelo FED, que por sua vez, tem encontrado um ambiente conjuntural mais desafiador. Neste cenário, há o risco de que seja necessário aumentar a taxa de juros acima do que está precificado pelo mercado neste momento, que é uma taxa de juros do FED funds de 3,3% para meados de 2023.

Adicionalmente, o risco de uma forte desaceleração na China, com as fortes restrições adotadas pelo governo, acentua o quadro de incertezas no âmbito internacional. Em contraste, dados domésticos surpreenderam positivamente, com o mercado de trabalho aquecido e uma melhora marginal nos níveis de confiança, resultando em revisões altistas para o PIB em 2022.


Atividade econômica – Melhora nos indicadores e mercado de trabalho aquecido reforçam melhora da atividade econômica para 2022

Apesar do aperto monetário, os dados relativos à atividade econômica vêm apresentando melhora, mediante a expansão do mercado de trabalho, ao impacto positivo dos estímulos fiscais e a melhoria do quadro pandêmico, com redução mais acentuada das medidas restritivas. Dados de alta frequência e indicadores recentes de confiança reforçam a tendência de melhoria, a confiança do consumidor para o mês de abril teve alta expressiva, principalmente para os consumidores de mais baixa renda, adicionalmente, o setor industrial e de serviços também apresentaram aumentos significativos nos índices de confiança.

O mercado de trabalho continua apresentando números positivos, com crescimento do número de empregos e da massa salarial real, demonstrando melhora e sugerindo um mercado de trabalho aquecido. Os dados do CAGED apresentaram forte geração de empregos no setor formal, fechando o primeiro trimestre com 615 mil empregos gerados. Adicionalmente, o resultado da PNAD também reforçou esta tendência positiva, com aumento de aproximadamente 1,6 milhão de trabalhadores no mês de março.

As projeções para a atividade econômica obtiveram leve melhora para o ano de 2022, com projeção de avanço do PIB de 1,0%, segundo o Instituto Fiscal Independente. Resultado este que reflete a resiliência da atividade econômica no curto prazo e os estímulos fiscais adotados pelo governo. As melhoras nas expectativas e nas projeções do mercado advém da surpresa obtida com o resultado positivo do último trimestre de 2021 e a melhora dos indicadores econômicos durante o início do ano de 2022.

Adicionalmente, é esperado um forte incentivo sobre a atividade doméstica com o ingresso dos recursos dos saques do FGTS na massa de rendimentos, a liberação de cerca de R$ 30 bilhões entre abril e junho deve surtir efeitos positivos sobre a demanda agregada e estimular a atividade no curto prazo.

Entretanto, mesmo com alguns indicadores apresentando melhorias, o cenário ainda permanece desafiador, as perspectivas econômicas carregam certo grau de volatilidade e incerteza acima do usual, mediante o prolongamento do conflito militar no leste europeu e o cenário inflacionário, cujo qual tem gerado um aperto monetário nas economias.

No âmbito internacional, o FMI reduziu a expectativa de crescimento do PIB mundial para 2022 e 2023, de 4,4% para 3,6% e de 3,8% para 3,6%, respectivamente, culminando em reduções de 0,8 e 0,2 p.p. na comparação com as projeções de janeiro. As revisões baixistas sobre a atividade econômica global advêm, em grande medida, pelos impactos diretos da guerra nas economias da Rússia e da Ucrânia e pelos efeitos indiretos nas demais economias, sobretudo, do bloco Europeu.

Fonte: FMI. Elaboração: Clube de Finanças

WEO: World Economic Outlook


Inflação e Política Monetária – Revisões altistas para inflação em 2022 e continuidade do aperto monetário

A inflação ao consumidor em abril, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), registrou alta mensal de 1,06%, o maior resultado registrado para o mês desde 1996. No acumulado dos últimos doze meses, a inflação registra alta de 12,1%, acima dos 11,3% observados nos doze meses imediatamente anteriores.

A pressão sob os níveis de preços segue disseminadas entre os componentes, com oito dos nove grupos de produtos e serviços observados apresentando alta no mês de abril. Os maiores impactos sobre os índices de preços vieram dos alimentos e dos combustíveis, sendo o grupo de alimentação e bebidas responsável pela maior variação no mês e maior impacto no índice cheio (alta de 2,06% e 0,43 p.p. de impacto). Adicionalmente, o grupo transportes obteve a segunda maior alta, sendo fortemente impactado pelo aumento dos preços dos combustíveis. Conjuntamente, os dois grupos contribuíram com aproximadamente 80% da taxa de variação do IPCA em abril.

No cenário base, as projeções apontam para uma alta no IPCA próxima a 8,0% em 2022, refletindo os persistentes choques nas cadeias de suprimentos globais, intensificados pelo prolongamento do conflito militar no leste europeu e pelas medidas restritivas adotadas na China para conter o avanço das novas ondas da Covid-19.

Apesar de algumas medidas contribuírem para reduzir os impactos inflacionários no curto prazo, como a redução das alíquotas do IPI, o atual cenário de forte pressão sobre os níveis de preços tende a permanecer, prevalecendo riscos altistas. Neste cenário, de inflação corrente em nível elevado, é esperado uma inércia inflacionária ainda maior para o ano de 2023.

Neste cenário e em linha com as expectativas do mercado, o COPOM decidiu aumentar em 1 p.p. a taxa básica de juros, para 12,75%. O Comitê sinalizou ainda, para mais uma alta na próxima reunião, contudo, de menor magnitude, caso os cenários projetados pelo BACEN se confirmem.

A ata do COPOM manteve os principais pontos elencados na comunicação anterior, sem novidades significativas, adicionando, no entanto, uma abordagem mais cautelosa mediante a deterioração da dinâmica inflacionária e o impacto desta sobre as projeções de longo prazo, fato este que vem ocorrendo de forma bem mais intensa do que o esperado inicialmente, e que contribui para que o comitê deixe em aberto a decisão para a próxima reunião.

Ao que sinaliza a ata do COPOM, bem como as expectativas do mercado, é esperado que haja apenas mais uma alta, com o fim do ciclo de aperto em junho. No parágrafo 13, o Comitê destaca que “o ciclo de aperto monetário corrente foi bastante intenso e tempestivo” e, mediante as defasagens dos efeitos da política monetária sobre a atividade, os efeitos contracionistas ainda não surtiram total efeito sobre a economia.


Política Fiscal – Resultados fiscais continuam surpreendendo positivamente e mantém expectativa de novo superávit

Em linha com o mês anterior, os resultados fiscais vêm apresentando melhorias, com o PIB nominal e inflação mais elevados traduzindo em expectativas maiores de arrecadação, adicionalmente, a persistência do conflito no leste europeu e a consequente manutenção dos preços de commodities em patamares elevados, sinalizam para um crescimento adicional nas receitas do governo.

Apesar das medidas de incentivo fiscal, como a redução no IPI, que deve retrair em cerca de R$ 5 bilhões a arrecadação no ano, e o aumento de gastos, as projeções apontam para um novo superávit em 2022. Em paralelo, as expectativas para os anos seguintes são de resultados primários próximos a zero, culminando em uma dívida bruta e líquida ainda crescente ao longo dos próximos anos.

Apesar da melhora nos resultados fiscais, as percepções de risco ainda se mantém de certa forma inalteradas, os bons resultados fiscais obtidos ainda não se transformaram em uma redução dos prêmios da curva de juros, tendo em vista a persistência nas percepções de risco, com a mudança no teto de gastos e a não descartável possibilidade de novas alterações na lei que regula este instrumento para os próximos anos. O teto de gastos é uma importante âncora fiscal para o país, responsável por ancorar as expectativas de inflação.

Fonte: Anbima. Elaboração: Clube de Finanças


Setor Externo – Continuidade do confronto na Ucrânia e surto de COVID-19 na China aumentam os riscos no curto prazo

O mês de abril ficou marcado pelo aperto na política monetária americana, incertezas com relação à atividade econômica chinesa, ao passo em que a política de covid zero continua em andamento, e a escalada do confronto no leste europeu entre Rússia e Ucrânia.

O confronto no leste europeu se mostra persistente, com ambas as partes não chegando a um acordo para encerrar o conflito entre os países. Como resultado, Finlândia e Suécia, países próximos ao kremlin, optaram por ir contrário ao seu costume de neutralidade, e abriram processo para aderir à OTAN, movimento mal-visto pelo governo russo, que teme uma expansão da infraestrutura militar.

A manutenção do conflito continua a provocar um choque negativo persistente sobre as commodities, principalmente sobre as energéticas e as agrícolas, como o trigo e o milho, que continuam em tendência altista após um breve período de estabilização a níveis de preços altos.

Fonte: Yahoo Finance. Elaboração: Clube de Finanças

Na Zona do Euro, a produção industrial para o mês de março retraiu em 0,8%, número melhor que o esperado (-1%) e inferior ao crescimento apresentado em fevereiro (1,7%). O índice foi afetado principalmente pelas quedas de 4% em produção energética e 2,7% de bens de capital. As altas de 2,8% de bens de consumo não-duráveis e 6,6% de bens de consumo não foram suficientes para deixar o índice em patamar positivo.

Já a inflação no bloco continua no seu maior patamar para o mês de abril, estabelecida em 7,4% anualizados. As maiores contribuições para a inflação anualizada da Zona do Euro vêm de energia – responsável por 3,7 p.p. do índice -, seguido por serviços (1,38 p.p.), alimentos, álcool e tabaco (1,35 p.p.) e bens industriais não-energéticos (1,02 p.p.). A taxa de inflação está muito acima da meta de 2%, estabelecida pelo ECB, e não deve voltar a patamares reduzidos tão cedo. A crise energética, exacerbada pela invasão russa à Ucrânia, e os persistentes gargalos na cadeia de suprimentos ao redor do globo continuam pressionando a inflação global, deteriorando o balanço de riscos e exigindo medidas mais assertivas por parte dos principais bancos centrais.

Demonstrando o “pessimismo” no bloco, o índice de confiança do consumidor na Zona do Euro registrou -22 pontos no mês de abril, a pior marca desde abril de 2020. O índice no mês de março já havia chegado a -21,6 – a piora no indicador demonstra a reação do consumidor à continuidade do conflito no leste europeu, que afeta o abastecimento de diversas commodities e provoca uma elevação generalizada de preços.

Por fim, o PMI composto no bloco atingiu a marca de 55,8 no mês de abril, ante 54,9 do mês de março e de acordo com as expectativas do mercado. A leitura do índice apontou para o maior crescimento na atividade do setor privado nos últimos sete meses, ao passo em que o setor de serviços (55,7) se recupera com menores restrições atreladas a COVID-19, ajudando a ofuscar a diminuição em manufatura (55,5), a menor nos últimos 15 meses. O desemprego no bloco decresceu para 6,8% para o mês de março, levemente acima das expectativas de 6,7%. As principais quedas registradas foram na Alemanha (2,9% ante 3%) e Itália (8,3% ante 8,5%), enquanto a França firmou-se em 7,4%.

Nos EUA, o Fed decidiu por aumentar a taxa de juros básica em 50 bps, o maior aumento em mais de duas décadas. A elevação, apesar de esperada, demonstra que o Federal Reserve está disposto a aumentar o ritmo nos incrementos de alta de juros, botando na mesa um debate para um próximo aumento na casa de 75 bps – no momento, grande maioria do comitê é contrária a um aumento de tamanha magnitude. Vale ressaltar, no entanto, que o comitê também era em sua grande parte contrário a um aumento na casa de 50 bps, mas as condições adversas no balanço de riscos fizeram com que o Fed adotasse tal medida.

A inflação no país registrou 0,3% para o mês de abril – 8,3% anualizados ante 8,5% em março. O número veio acima das expectativas de 8,1% ao ano. Apesar da queda de 6,1% no preço da gasolina, o aumento em gás natural (3,1%) e eletricidade (0,7%), aliados ao aumento em alimentos (0,9%) e abrigo (0,5%) foram os principais contribuintes para o resultado.

Já a taxa de desemprego continuou estável em 3,6% para o mês de abril, a menor taxa desde fevereiro de 2020, e levemente acima das expectativas de 3,5%. O PMI composto para abril foi revisado a 56 pontos, ante 57,7 registrados em março. A expansão na manufatura (59,2 ante 58,8) foi contrabalanceada por um crescimento menor de serviços (55,6 ante 58). Ainda, apesar de as empresas terem reportado um crescimento de empregos, a falta de trabalhadores persiste e, como resultado, atrasos de trabalho cresceram a um ritmo acentuado.

A economia americana contraiu 1,4% – em fatores anuais – no primeiro trimestre de 2022, bem abaixo das expectativas do mercado de expansão de 1,1%, seguindo um crescimento de 6,9% no quarto trimestre de 2021. Enquanto as exportações caíram 5,9%, as importações aumentaram em 17,7%, ao passo em que o investimento privado doméstico decaiu significativamente (2,3% ante 36,7%). Além disso, os gastos do governo também registram queda ante o período anterior (-2,7% ante -2,6%), e, na contramão, o consumo (2,7%) e investimento fixo (7,3%) contribuíram positivamente ao PIB.

Por fim, a confiança do consumidor, mensurada pela Universidade de Michigan, registrou o menor patamar desde agosto de 2011, caindo a 59,1 em maio, ante 65,2 em abril, e inferior às expectativas (64). A pressão inflacionária continua a pesar negativamente para o consumidor, restringindo o consumo de bens duráveis, que caíram ao menor nível registrado desde 1978.

Por fim, a China enfrenta um surto de COVID-19 em diversas províncias, com cidades – como Shanghai – em protocolo de lockdown. Este fator tem impacto em magnitude global, visto que o método de combate ao vírus compromete a cadeia de suprimentos, causando atrasos e aumento nos preços de bens ao redor do globo, além de prejudicar a atividade econômica chinesa e consequentemente mundial, e já pode ser observado no registro do PMI de abril, que desabou para 36,2, ante 42 em março, indicando uma retração.

O país, no entanto, apresentou um crescimento ajustado de 1,3% em seu PIB para o primeiro trimestre do ano, ultrapassando as estimativas do mercado de 0,6%, muito motivado pelos estímulos fornecidos pelo governo chinês, que busca reduzir o impacto causado pela sua política de Covid Zero.


Mercado financeiro – Ibovespa fechou no negativo pela primeira vez no mês de abril em 2022 e Criptomoedas seguem em forte desvalorização

O índice Ibovespa fechou o mês de abril com uma desvalorização de aproximadamente 10%, o primeiro mês negativo do ano de 2022. Entre os motivos que explicam a queda, os lockdowns realizados na China provocaram temores de uma possível redução na demanda global por commodities, impactando as ações ligadas a esse setor no Brasil, que possui o maior peso na composição da bolsa brasileira. Adicionalmente, o aperto monetário provocado pelo FED, com a alta dos juros nos Estados Unidos, aumentou a aversão ao risco dos investidores, ocasionando uma retirada de investimentos dos mercados emergentes, como é o caso do Brasil. De acordo com a B3, os investidores internacionais retiraram R$ 7,67 bilhões no mês de abril da Bolsa.

Em linha, o Bitcoin também tem apresentado forte desvalorização, consolidando uma perda de quase 60% desde o ATH (all time high) em novembro de 2021, quando chegou próximo da marca de U$ 68 mil. A segunda maior criptomoeda em valor de mercado, Ethereum, também apresenta uma queda de, aproximadamente, 60% desde novembro de 2021. Entre os fatores que explicam este cenário, o principal deles é o aumento da taxa de juros americana em 50 bps, número já esperado pelo mercado, mas ainda assim, suficiente para muitos agentes migrarem seus investimentos para ativos menos arriscados.


Síntese mensal

A continuidade do conflito no Leste Europeu continua a afetar negativamente o balanço de riscos em nível global. Novas revisões nas projeções apontam para um menor crescimento para as principais economias mundiais, além de uma pressão inflacionária persistente, sinalizando que o atual cenário, de aperto monetário pelos principais bancos centrais, deverá ser mantido para os próximos períodos, através de altas de maior magnitude nas taxas de juros e encerramento de programas de compra de ativos.

No cenário nacional, os dados positivos apontam para uma melhora do ambiente econômico, com crescimento da atividade e indicadores sinalizando para um mercado de trabalho aquecido. No entanto, o atual cenário, de atividade aquecida para o curto prazo, contrasta com as projeções de desaceleração para o segundo semestre de 2022, com a pressão inflacionária e a alta taxa de juros pesando negativamente sobre as projeções, tendo em vista os impactos negativos dos efeitos da política monetária contracionista sobre a atividade, surtindo maiores impactos sobre a demanda a partir dos próximos meses.

Em síntese, o cenário é de maior cautela e de piora nas percepções de risco, com uma maior clareza dos impactos causados pelo conflito no leste europeu sobre a atividade econômica, sobretudo, das economias europeias, reduzindo as projeções de crescimento global para 2022 e 2023. Neste cenário, onde não há previsão de alívio para o quadro inflacionário no curto prazo, é esperado uma continuidade do aperto monetário por parte das principais autoridades monetárias, desestimulando ainda mais a atividade econômica, mas objetivando conter a escalada dos níveis de preços.


Autores: Luís Guilherme Uliana, Mateus Melo e Wiliam Midon Pedroso.

Posted by Wiliam Pedroso in Conjuntura Macro / Renda Fixa, 0 comments
Carta de conjuntura Macro – junho

Carta de conjuntura Macro – junho

O mês de Junho foi marcado principalmente pelas reuniões do FOMC e do Copom sobre a decisão nas taxas de juros, decisões as quais estão sendo acompanhadas de perto em virtude das preocupações com a inflação. Já na última semana do mês, o mercado apresentou bastante volatilidade devido a reforma tributária junto com a possibilidade de tributação dos dividendos e a continuidade no inquérito da CPI da Covid no cenário político.


Além disso, comentaremos sobre os resultados divulgados sobre os empregos nos EUA, o mercado de criptomoedas e também o resultado da inflação no último mês puxado pela crise hídrica que pode encarecer ainda mais a conta de luz dos brasileiros.


Criptomoedas

Neste mês de Junho, o mercado de criptoativos voltou a se animar após meses em queda através da aprovação do Bitcoin como moeda oficial em El Salvador. No dia 24, o país oficializou através de uma nova lei, o uso do Bitcoin como moeda de troca do país junto atualmente com o dólar, sendo o primeiro país no mundo a tomar esta atitude. Isso acabou despertando os olhares de muitos investidores de criptomedas e fez o Bitcoin se valorizar em aproximadamente 10% depois da notícia, além de criar uma oportunidade ainda maior para utilização da moeda mundialmente.


Por trás desta atitude de El Salvador, existe um lado muito importante economicamente. Entre 15% a 20% do PIB de El Salvador é composto por remessas estrangeiras, logo com a oficialização do Bitcoin facilitará ainda mais a entrada de dinheiro para o país e assim aumentar a arrecadação do governo, além de abrir oportunidades para mineradores e empresas de criptoativos se instalarem. O incentivo será ainda maior já que a população irá receber US$ 30 ao utilizarem a carteira digital de criptomoedas oficial, “Chivo”.


Cenário Internacional

Nos Estados Unidos foram criadas 850 mil vagas de emprego no mês de junho, um aumento considerável em relação às 583 mil geradas em maio. Assim, o país chega ao recorde de mais de 8 milhões de vagas em aberto. Mesmo assim, a taxa de desemprego subiu de 5,8% para 5,9% nestes meses. O fechamento das escolas e creches, que aumenta o número (principalmente) de mulheres em casa, bem como os auxílios do governo Biden, e as altas recordes de ações que resultaram em um crescimento nas aposentadorias precoces, são os principais fatores para a falta da alocação de mão de obra nas vagas existentes. É previsto que este cenário se normalize até o final do ano, com a contínua vacinação da população, consequente reabertura das escolas e diminuição dos auxílios.

Os membros do FOMC se reuniram nos dias 15 e 16 de junho, e foi anunciada a manutenção das taxas de juros entre 0% e 0,25%, através de decisão unânime. Também foi mantida a decisão de compra de ativos em US$ 120 bilhões, sendo pelo menos US$ 80 bilhões por mês em Treasuries e US$ 40 bilhões por mês em MBS. Essas decisões buscam dar suporte ao cenário americano na pandemia, enquanto não há maiores progressos em direção à melhoria da taxa de desemprego e estabilidade de preços. 

Apesar disso, ficou clara a preparação para a redução gradual de compra de ativos,  já que a alta liquidez do mercado imobiliário nos Estados Unidos está gerando pressão por valorização, e isso faz com que seja necessário ajustar o volume e a composição dos ativos comprados, principalmente no caso das MBS. Em relação ao futuro, o FED espera que as taxas de juros voltem a aumentar no cenário pós pandemia, a partir de 2023. Além disso, também é esperado que a inflação fique acima de 2% por um período no médio prazo, para que se enquadre na meta de 2% no longo prazo.

No início do mês o mundo foi surpreendido pela decisão inédita do G7 a respeito da criação de uma alíquota tributária mínima global. O objetivo com a mudança, de acordo com o anúncio, é a nivelação da carga tributária ao redor do globo, sendo a alíquota pretendida de pelo menos 15%, e aplicável às multinacionais. O G7 acredita que a receita gerada com o aumento, possibilitará investimentos governamentais em melhoria da qualidade de vida da população nos locais com menor carga tributária. 

Por outro lado, uma das principais formas de atração de investidores por países menores e economias emergentes é através da concorrência tributária. O aumento poderia significar evasão de grandes empresas, como acontece no Brasil, diminuindo os empregos gerados pelas multinacionais e o acesso da população a produtos e tecnologia importada. Economistas acreditam que a medida beneficiará majoritariamente países consolidados, pois o aumento da receita proveniente de impostos depende de posturas do governo para se transformar em melhorias para a população, enquanto que o ponto negativo de perda de investimento externo é certo.

Coronavírus


O ritmo de vacinação vem aumentando rapidamente ao redor do mundo, o que vem facilitando a diminuição no número de casos e uma abertura econômica principalmente nos países mais desenvolvidos. 


Os Estados Unidos iniciaram um forte início de vacinação entre Março e Abril, enquanto os países da União Europeia tiveram um aumento na taxa de vacinação só recentemente. Entre as principais nações desenvolvidas, as que tiveram maior destaque em relação à vacinação até agora foram o Reino Unido, Portugal e a Alemanha. 

Fonte: Our World in Data.


A Europa e os Estados Unidos alcançaram o menor patamar nas últimas 10 semanas no registro de novos casos e mortes decorrentes de coronavírus, devido à forte aceleração na aplicação de vacinas. Por causa dessas quedas, houve um afrouxamento nas políticas de isolamento o que possibilitou a volta de festas e eventos esportivos, sendo um dos principais a Eurocopa.


Entretanto, na última semana, a variante indiana delta vem preocupando muitos países com a possibilidade de uma terceira onda. O Reino Unido, por exemplo, viu o número de casos voltar a aumentar fortemente, quatro vezes no último mês aproximadamente, além de outros países como Portugal, o qual teve impor restrições a turistas ingleses para diminuir o número de novos casos. Com as finais e semifinais da Eurocopa em Wembley e a ascensão da COVID-19 no Reino Unido através da nova variante, a pressão sobre uma possível volta para o fechamento econômico ficou ainda maior.


Já no Brasil, após uma forte segunda onda entre fevereiro e março, o ritmo de vacinação no país surpreendeu muitas projeções feitas inicialmente. Como comentado na carta de maio, o aumento no número de doses em estoques poderia resultar em uma aceleração na vacinação no próximo mês, o que realmente acabou acontecendo. O país conseguiu aplicar 1 milhão de doses diárias em 22 ocasiões entre junho e julho. Assim, o país chegou a marca de 13% da população imunizada totalmente e 38% com uma dose pelo menos. 


Os principais motivos para esse ritmo, além do aumento no número de doses, foi a melhor distribuição do governo federal aos estados, diminuindo os estoques de doses paradas, e a antecipação de vacinação de diversas faixas etárias.


Cenário Nacional

A forte aceleração da vacinação no Brasil, trouxe perspectivas positivas para a retomada econômica, mas as irregularidades na compra da vacina Covaxin por parte do governo Bolsonaro, trouxe novamente instabilidade para o país. A CPI da Covid já vinha analisando irregularidades na gestão do governo como a falta de oxigênio em Manaus e nas últimas semanas a investigação foi mais a fundo ao analisar um suposto superfaturamento na compra das doses no valor de US $15,00, quatro vezes maior que a vacina da  AstraZeneca.


Diante disso, a CPI vem buscando esclarecimentos ao Ministério da Saúde para analisar as negociações feitas pela compra da Covaxin e verificar se houve alguma fraude. Por causa disso, a Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu inquérito para saber se o presidente Bolsonaro cometeu prevaricação, ou seja, negligenciou o suposto superfaturamento das doses indianas.


Reforma Tributária


No dia 26 de junho de 2021, o Ministério da Economia enviou ao Congresso Nacional a proposta contendo a Segunda Fase da Reforma Tributária, que diz respeito às mudanças no sistema de Imposto de Renda para Pessoas Físicas, Jurídicas e Investimentos Financeiros. Vale a pena relembrar que a Primeira Fase da reforma já foi apresentada no ano de 2020 e continha a proposta de unificação do PIS/Pasep e Cofins, assim como, a criação da Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços, chamada de CBS.


A Segunda Fase propõe mudanças em quatro frentes tributárias. A primeira consiste na reforma do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF), na qual o governo se compromete a atualizar a tabela de isenção do imposto. A população isenta do IRPF atualmente concentra-se na faixa de ganhos de até R$1.903,98 e consiste em um total de 10,7 milhões de pessoas. Com a proposta, a faixa de isenção subiria para ganhos de até R$2.500,00 contemplando cerca de 16,3 milhões de pessoas. O valor teto da tabela, para aqueles cuja a alíquota é de 27,5%, também será alterado passando de rendimentos acima de R$4.664,68 para rendimentos acima de R$5.300,01, como pode ser visto abaixo.


Fonte: Ministério da Economia.


Em relação ao desconto simplificado, mecanismo utilizado para facilitar o preenchimento da declaração de imposto de renda, propõe-se que fique restrito aos indivíduos que recebem até R$40 mil por ano. Outro ponto da proposta dentro do IRPF é a atualização do valor dos imóveis, que atualmente ocorre da seguinte forma: o imóvel é declarado em seu valor original, e ao se efetuar a venda do mesmo, o proprietário paga entre 15% e 22,5% sobre o ganho de capital. Na proposta de reforma, será permitido atualizar o valor patrimonial do imóvel na declaração de IR, sendo assim, incidirá uma alíquota de apenas 5% sobre a diferença do valor original do imóvel e o valor atual de mercado. A partir disso, as vendas adiante usarão como valor base do imóvel aquele que foi atualizado pelo proprietário anterior. A alíquota para envio de remessas de dinheiro de indivíduos aos paraísos fiscais passará a ser de 30%.


Entretanto, os pontos mais polêmicos da proposta de reforma estão relacionados ao IRPJ, são eles: a taxação de dividendos e a eliminação dos Juros sobre Capital Próprio (JCP), que afetam tanto as empresas como os indivíduos. No primeiro caso, a equipe econômica do governo pretende taxar os dividendos, atualmente isentos de IR, em 20% diretamente na fonte sem isenção entre os tipos de investidores. A proposta não se estenderá às micro e pequenas empresas com distribuição de proventos mensais de até R$20 mil. Remessas enviadas ao exterior também entrarão nesse quesito.


Vale ressaltar que a taxação de dividendos desestimula as empresas a repassarem os lucros aos acionistas, favorecendo a sua retenção e reinvestimento. Fator que pode desfavorecer empresas de baixo crescimento, como as do setor elétrico, e favorecer empresas de crescimento rápido e que não possuem distribuição de proventos, que também serão beneficiados pela redução do IRPJ, como será descrito adiante. A proposta também prevê a extinção dos JCP, instrumento estritamente brasileiro que possibilita às empresas a dedução dessa distribuição aos acionistas como despesa e, consequentemente, acaba por reduzir o lucro tributável, possibilitando a diminuição da alíquota efetiva de tributação de 34% para até 22% em alguns casos, o que não ocorre com os dividendos que são pagos com base no Lucro Líquido e não entram como despesas.


A segunda frente da proposta consiste na reforma do IRPJ, na qual ocorrerá uma redução progressiva na alíquota que atualmente se encontra em 15%, passando para 12,5% em 2022 e para 10% a partir de 2023. Além disso, o adicional de mais 10% para as grandes empresas permanecerá. Para pagamentos ou gratificações em ações destinadas a dirigentes e sócios também haverão mudanças, esses valores não poderão ser deduzidos como despesas operacionais.


Já a terceira frente de mudanças diz respeito ao IR de investimentos. Será extinto o escalonamento com base no prazo das aplicações em fundos de investimentos de Renda Fixa, que atualmente é de 22,5% para aplicações de até 180 dias e 15% para aplicações com prazo acima de 2 anos, passando a ser unificada em 15%. Os ativos de renda fixa como o Tesouro Direto e o CDB passarão a ter alíquota fixa em 15%, assim como, fundos multimercados.


Será extinto o “come-cotas” do mês de maio, sendo cobrado de forma integral no mês de novembro. O “come-cotas” é um imposto de renda que incide sobre os fundos, em especial de renda fixa, recolhidos de forma semestral (maio e novembro) com base nos rendimentos, nos fundos de curto prazo a alíquota é de 20% e nos de longo prazo é de 15%. Para fundos de ações e clubes de investimentos o “come-cotas” será mantido como está. Propõe-se uma unificação em 15% para todas as alíquotas dos diversos tipos de investimentos, no modelo atual a alíquota de 20% incide sobre Day Trade e FIIs e a alíquota de 15% incide sobre ações. Em relação aos Fundos de Investimento Imobiliário incidirá uma alíquota de 15% sobre os proventos pagos mensalmente a partir de 2022, entretanto, os impostos sobre lucros com as vendas das cotas cairá de 20% para 15%. A proposta também abrange investimentos no exterior, onde será extinta a isenção para as vendas de ações no valor de até R$35 mil.


A proposta da Segunda Fase da reforma não agradou a população em geral e nem o Congresso Nacional, segundo o próprio relator, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), há estudos para tentar tornar progressiva a taxa de distribuição de lucros e dividendos das empresas, como uma tabela por faixas nos moldes do IRPF. Afirmou também, que ainda há na reforma “gordurinhas” a serem queimadas. Segundo Luiz Gustavo Bichara, advogado tributarista em Bichara Advogados, com a aprovação do texto original da reforma os rentistas serão tributados em 15%, os assalariados em 27,5% e os empreendedores em cerca de 49%, no pior cenário o imposto incidente sobre as empresas seria dividido da seguinte forma: 20% de IRPJ + 9% de CSLL + 20% sobre dividendos. Vale ressaltar o entendimento do STF, que uma tributação de 50% caracteriza confisco, o que é estritamente proibido pela Constituição brasileira.


Nesse quesito cabe um adendo, o cenário no qual a tributação total poderia alcançar 49% ocorreria caso as empresas viessem a distribuir 100% dos lucros em forma de dividendos. Como a maioria das empresas não possui essa política, o Valor Econômico fez simulações (demonstradas abaixo) na qual considera uma taxa de pagamento de dividendos de 25%. Sendo assim, em 2022 a carga tributária total alcançaria ~35% e em 2023 cerca de ~33%. Ficando abaixo do que se pratica atualmente nos Estados Unidos, onde a alíquota total para empresas é de 41%.



Fonte: Valor Econômico


Com a aprovação da reforma, o Ministério da Economia estima que haverá um aumento de arrecadação em R$32,2 Bi em 2022, R$55,04 Bi em 2023 e R$58,2 Bi em 2024. Por outro lado, há estimativas de perdas de receitas de R$32,02 Bi em 2022, de R$54,71 Bi em 2023 e R$57,61 Bi em 2024 devido aos ajustes nas alíquotas do IR.


Crise hídrica e pressão inflacionária 

A crise hídrica é um assunto que vem ganhando espaço no cenário nacional, alguns dos principais reservatórios para a produção energética do país, localizados no Centro-Oeste e no Sudeste, estão nos menores níveis em 22 anos.


Marcelo Seluchi, meteorologista do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), explica sobre esse recorde de escassez. Ele afirma que o nível de chuvas vem diminuindo ano após ano de forma generalizada no Brasil, e que outro grande problema que contribui para o baixo nível nos reservatórios é a falta de chuva, especificamente nas bacias dos rios, diminuindo a evasão dos mesmos e por consequência o nível dos reservatórios.


Com o baixo nível dos reservatórios, faz-se necessário a busca por produção de energia via outras fontes, dada a dependência da matriz energética brasileira para com as hidrelétricas. Nesse sentido, no curto prazo, é muito usada as usinas termelétricas para suprir a demanda de energia no país. 


Porém, o Ministério de Minas e Energia estima que, este ano, o acionamento de termelétricas resultará em um custo de R$ 9 bilhões ao consumidor, que deverá ser repassado gradativamente aos consumidores ao longo de 2021 e 2022. 


Assim, com a diminuição dos reservatórios das usinas hidrelétricas, e dada a forte dependência dessa fonte na matriz energética, há fortes pressões inflacionárias dado os aumentos de custo para a produção de energia, com a grande maioria dos locais com a bandeira vermelha acionada e reajustes de preço que chegam na ordem dos 100%.


Mudanças no comportamento do Bacen.

Como já sinalizado, o Copom decidiu por unanimidade, elevar a taxa de juros para 4,25% a.a, um aumento de 0,75 p.p. Essa é a terceira alta consecutiva da taxa de juros, retornando ao patamar pré-pandemia. 


O cenário de alta dos juros visa ancorar as expectativas dos agentes econômicos com relação à inflação de 2022, que dá sinais de piora. Os preços internacionais das commodities, o câmbio desvalorizado, a escassez de insumos na cadeia produtiva e o aumento do preço da energia, têm pressionado a inflação.


No acumulado de 12 meses, o IPCA (8,06%) já superou o teto da meta estipulado pelo governo, de 5,25%. Apesar dos dados recentes, o BC manteve o aumento de 0,75 p.p, mas com ajustes em sua comunicação. A mudança de tom do Banco Central veio com a retirada da “normalização parcial da taxa de juros” e indica um movimento mais rápido à taxa neutra, visando cumprir a meta de inflação de 2022: “Neste momento, o cenário básico do Copom indica ser apropriada a normalização da taxa de juros para patamar considerado neutro. Esse ajuste é necessário para mitigar a disseminação dos atuais choques temporários sobre a inflação.”


Em nota, o Copom afirmou que a persistência inflacionária e dados de atividade melhores do que o esperado, além de uma lenta normalização da oferta e aumento da conta de luz, devem pressionar inflação no curto prazo: “A persistência da pressão inflacionária revela-se maior que o esperado, sobretudo entre os bens industriais. Adicionalmente, a lentidão da normalização nas condições de oferta, a resiliência da demanda e implicações da deterioração do cenário hídrico sobre as tarifas de energia elétrica contribuem para manter a inflação elevada no curto prazo, a despeito da recente apreciação do Real.”


Além disso, o Copom ressalta que em seu cenário básico para a inflação permanecem fatores de risco em ambas as direções. De um lado, a recente valorização cambial pode diminuir a pressão sobre a inflação. Por outro, o prolongamento de estímulos fiscais que melhorem a atividade, mas ao mesmo tempo, aumentam o risco fiscal, podem ser fatores que elevem a inflação no curto e médio prazo. 


Nessa perspectiva, em busca de não perder o controle sobre os preços no médio e longo prazo e a sua credibilidade, que tornaria a política monetária menos efetiva, o Banco Central decidiu elevar a taxa de juros básica da economia para 4,25% a.a, e já indicou implicitamente um novo aumento de magnitude semelhante no próximo encontro. 


Assim, o cenário básico do Copom prevê uma inflação em torno de 5,8% para 2021 e 3,5% para 2022. Esse cenário supõe uma trajetória de juros que se eleva para 6,25% a.a. neste ano e para 6,50% a.a. em 2022.

Posted by Ricardo Pering dos Santos in Conjuntura Macro / Renda Fixa, 0 comments
Carta de Conjuntura Mensal Outubro 2019

Carta de Conjuntura Mensal Outubro 2019

Comentário Macroeconômico Mundial

No contexto global, a segunda metade do mês de setembro apresentou uma menor tensão entre Estados Unidos e China com relação a guerra comercial, devido à rodada de negociações que estava por vir no dia 11 de outubro, em Washington. Contudo, os resultados desse encontro representam passos pequenos na direção de resolver um conflito de tamanha escala, em linha com nossa expectativa exposta na carta anterior.
Entre as medidas mais importantes anunciadas, a China concordou em comprar de 40 a 50 bilhões de dólares da agricultura americana e o governo estadunidense comprometeu-se em não elevar tarifas de importação de produtos chineses. Além disso, houveram conversas sobre um possível pacto monetário, que, para os EUA, significaria uma menor manipulação do Yuan pelo governo chinês, porém nada de concreto foi estabelecido. Dessa forma, observamos que o mini acordo mantém em vigor todas as tarifas previamente impostas e não se refere aos principais assuntos que deram início a guerra comercial 15 meses atrás, como os subsídios à agricultura e o desrespeito às leis de propriedade intelectual por parte da China. Em razão disso, seguimos com nossa visão de que a guerra comercial deva se estender para 2020 sem qualquer direcionamento para uma resolução definitiva.
Ademais, outros conflitos emergiram na China com a escalada de tensões nos protestos de Hong Kong. As manifestações, que ocorrem desde junho, começaram como parte de um movimento contra a Lei de Extradição e ganharam uma escala muito maior, incluindo pautas como a liberdade e autonomia da ex-colônia britânica. Esse clima de violência afetou de maneira severa a economia, com a redução da expectativa de crescimento local em 2019 de 3% para 1%, além da queda de 23% nas vendas do varejo em agosto contra o mesmo período em 2018. Desse modo, entendemos esse cenário como mais uma fonte de incertezas na economia global, uma vez que Hong Kong é uma grande parceira comercial de Japão e Estados Unidos – economias que já demonstram fraqueza – e é porta de entrada de muitos produtos na China.
Outra fonte de incertezas em setembro foi o ataque de drones às refinarias na Arábia Saudita no dia 14, destruindo 5% da capacidade de produção de petróleo mundial em questão de instantes. Consequentemente, os preços do petróleo dispararam, chegando a subir quase 20% em um único dia e gerando a maior alta desde a Guerra do Golfo de 1991. Contudo, um mês após o incidente, a Saudi Aramco – companhia de petróleo saudita – anunciou que já retornou ao ritmo de produção que apresentava antes da tragédia, de modo que o preço do petróleo Brent já se encontra no mesmo patamar de antes do dia 14. Ainda assim, o ataque expôs uma fragilidade entre os maiores produtores da OPEP e levanta o questionamento sobre a sustentabilidade da rápida recuperação apresentada pela Aramco. Isto posto, esperamos maior risco associado às questões do petróleo no mundo, prejudicando ainda mais a já enfraquecida economia global.
Na Europa, a decisão sobre a nova rodada de quantitative easing pelo BCE sofreu oposição interna. Embora tenha sido aprovada, nove dos 25 membros do conselho votaram contra a medida, mostrando a divergência de opiniões dentro da instituição. Assim sendo, a nova presidente do BCE, Christine Lagarde, que deve assumir o cargo no dia primeiro de novembro, terá que alinhar as ideias do comitê se quiser manter as medidas de Draghi. Nessa linha, entendemos que a manutenção dos estímulos é fundamental para evitar uma desaceleração econômica ainda maior da zona do euro, que continua sofrendo das incertezas relativas ao Brexit e à trade war.
No Reino Unido, a situação do Brexit inseriu ainda mais incertezas no mercado após um desentendimento entre Boris johnson e Angela Merkel, em que a chanceler da Alemanha enfatizou que um acordo seria extremamente improvável. Nossas expectativas são de que um acordo antes do dia 31 de outubro, data limite estabelecida por Boris Johnson para saída do RU da UE, não se realize. No entanto, a lei aprovada pelo parlamento britânico que dá o poder para o primeiro ministro prorrogar por três meses a saída do RU deixa a situação do Brexit sem qualquer direcionamento.
A economia dos EUA, em setembro, mostrou-se enfraquecida, com dados das vendas do varejo abaixo do esperado, caindo 0,3% como resultado das tensões comerciais. Dados como este forneceram mais munição para os membros votantes do federal reserve que estão tomando uma posição mais dovish, frente aos cortes de juros. Os dirigentes do Fed estão, em comparação com meses anteriores, mais divergentes em relação ao seu posicionamento quanto ao grau de estímulo que a entidade deverá influenciar na economia do país, evidenciado pelo voto de corte nas taxas de juros em 50 pb pelo presidente do St Louis Fed, James Bullard. O Federal Reserve também anunciou que expandirá a sua balança com a compra de 60 bilhões de dólares em Treasury Bills, com o objetivo de injetar liquidez nos mercados de curto prazo, fortalecendo uma perspectiva de um corte na taxa de juros na próxima reunião em novembro. Acreditamos que, apesar das divergências dentro do Fed, acontecerá um corte de 25 pb, seguindo o padrão dos cortes antecedentes.

Outro ponto de estresse para o mercado americano é a abertura do processo de impeachment contra Donald Trump. A acusação teve origem em uma conversa com o presidente da Ucrânia em que Trump supostamente pede para que investiguem o filho de Joe Biden, que é o primeiro nas pesquisas dos pré-candidatos entre os democratas. Observamos que a possibilidade de impeachment seja baixa, visto que este é um processo demorado e as eleições para presidente dos EUA estão muito próximas.

Comentário Macroeconômico Brasileiro

No cenário doméstico, continuamos acreditando em um Brasil com uma recuperação gradativa para o médio prazo, porém, ainda lenta para o ano de 2019. Essa perspectiva se deve aos dados divulgados não tão fortes quanto as expectativas do mercado – vide IBC-BR, Pesquisa Mensal de Serviços e Vendas no Varejo – que tem impactado nas projeções para o PIB deste ano.

Fonte: Bacen

Com relação às políticas monetárias conduzidas pelo Bacen, vislumbramos um corte da taxa SELIC no final de outubro de mais 50 bps – resultando em 5,0%. Reiteramos que os dados de inflação estão vindo abaixo do esperado, como exemplo, a deflação de 0,04% em setembro de 2019 – menor taxa para o mês desde 1998 – o que auferiu uma inflação anualizada pouco menor que 3%.
Isto posto, avaliamos maior espaço para uma Selic inferior a 5%, convergindo, em um futuro de curto prazo, para nosso cenário base de 4,5%. Em cenários mais otimistas, eventualmente, a SELIC poderia chegar a 4%, caso a economia e, consequentemente, a inflação continuem com este comportamento.

Posted by Arthur Barbosa Magdaleno in Conjuntura Macro / Renda Fixa, 0 comments